• Facebook - Black Circle

Meu novo amigo,

 

Nessa livro contamos para você como surgiu a história do Olímpio Mundo e da Gaia com a Turma do Lix. A ideia da criação desses personagens tem como objetivo principal compartilhar com você ideias de como podemos viver melhor aqui no nosso maravilhoso Planeta Terra. Através de atitudes conscientes de amor e respeito pelos animais, flores e plantas, com todas as suas belezas naturais, por nossas cidades e pelas pessoas que também moram aqui.

 

Como nós, o planeta Terra também fica doente e atualmente ele já começa a dar sinais. Está sofrendo muito com a temperatura desregulada, sentindo muito calor, que é um dos sintomas do superaquecimento global. Queremos mostrar para você, que nossa Terra é capaz de sentir as coisas, como por exemplo, quando ela é bem tratada com atitudes de amor e respeito, e quando ela não é bem tratada, ao jogarmos lixo em todos os lugares, desmatando e extinguindo espécies maravilhosas de nosso planeta, ameaçando o equilíbrio da natureza.

 

Nossa historinha mostra bem isso, não é? De um lado estava toda a beleza natural de nossa linda cidade maravilhosa do Rio de Janeiro, e por outro lado, a quantidade de lixo encontrada, principalmente na praia de Copacabana. Por essa grande quantidade de lixo que é sempre despejado em nossas cidades por todo o Brasil, tivemos a ideia de criar a Turma do Lix, para mostrar que o lixo também pode ganhar vida, não só em nossa historinha, através dos nossos personagens, mas também em nossa vida real.

 

De acordo com informações da Companhia Municipal de Lixo Urbano – Comlurb, a quantidade de lixo remo- vido diariamente na orla do Rio de Janeiro, incluindo os quiosques, em alta temporada, é alarmante. São 60 a 70 toneladas nos dias de semana, 100 a 120 toneladas aos sábados, e 150 a 180 toneladas aos domingos.

 

Na baixa temporada, nos dias de semana são recolhidas 40 toneladas, aos sábados 70 toneladas, e domingos 120 toneladas. O que muita gente não se dá conta é que sujeira atrai sujeira. O lixo deixado pelos banhistas atrai ratos, pombos e outros inimigos.

Isso para não falar nos animais de estimação, que são visitas constantes e que não deveriam vir à praia. E mais, o lixo que vai para o mar faz um enorme estrago, além de retornar para as praias na mudança das marés e nas ressacas. Os animais marinhos morrem, pois ao se alimentarem, não sabem distinguir o lixo dos alimentos naturais que estão em seu habitat. Pássaros, golfinhos e tartarugas engolem sacos plásticos e toda a forma de objetos, que flutuam, sufocando eles próprios e seus filhotes.

 

Muito do lixo encontrado em nossas ruas acaba passando despercebido pelos garis. Papel de bala, de chiclete, ou de outras coisas acabam voando e caindo dentro dos bueiros, que, com o passar do tempo, ficam totalmente entupidos.

 

Você sabe o que é um bueiro? Bueiros são aqueles buracos circulares, quadrados ou retangulares, de metal, que geralmente se encontram nos cantos das ruas e estradas. Na verdade, eles existem para escoar o excesso de água das chuvas, servindo como canal que vai conduzir as águas até os canais de drenagens das cidades que vão desembocar essa água lá no mar. Toda a água da cidade, seja das ruas, de rios, cachoeiras e lagoas escoa para o mar.

 

Com isso, basta chover um pouco mais e o bueiro entupido acaba não cumprindo seu papel de escoar a água da chuva e assim as ruas acabam ficando alagadas e os carros não podem passar. Sem contar que muitas pessoas perdem suas casas e tudo fica uma lama só! Um agravante desse processo é o lixo que jogamos diretamente nos rios, lagoas e cachoeiras, onde suas águas ficam retidas pelo lixo e acabam subindo a um nível além do normal, alagando ainda mais as cidades.

 

O mesmo acontece na beira do mar. As águas estão tão sujas que às vezes nem temos onde sentar, e o lixo que o mar traz quando a maré está alta é algo inacreditável!

Amigos, por mais que o trabalho do gari seja muito bem feito, precisamos entender que o gari não pode passar limpando as ruas, praias e outros lugares mais de duas vezes por dia. São muitas ruas e não existe um gari por cada rua, e também não existe um gari por cada metro quadrado de praia. Cada um tem uma área muito grande para limpar e eles não têm como dar conta de tudo! Por isso, para que possamos viver numa cidade mais limpa, precisamos colaborar com a limpeza, fazendo um esforço para mudar nossos hábitos e passar a olhar cada cantinho da cidade como a casa da gente, um lugar que precisamos cuidar!

 

O lixo fora do lixo também traz ratos, baratas, pombos, moscas e mosquitos para perto de nós! E por que estamos falando disso? Porque esses animais não são legais, não são bons e não deviam existir? Nada disso, muitos animais foram criados antes de nós e devemos aprender a respeitá-los, pois, afinal, eles também são criaturas da Terra, e como nós, possuem um papel no equilíbrio ecológico. Os ratos, as baratas, os pombos e os urubus fazem um importante papel na natureza, se alimentando do lixo orgânico, que são os restos de comidas e até de bichos mortos, ajudando, assim, na sua decomposição. O urubu é um dos maiores limpadores de lixo, sem ele nossa cidade seria ainda mais suja.

 

O problema é que quando espalhamos o lixo, esses animais acabam se reproduzindo muito rapidamente por conta do excesso de alimentos e também pela falta na cidade de seus predadores naturais, deixando assim o seu controle natural desregulado e alguns deles, quando em contato com o homem, podem transmitir doenças.

 

Os pombos são apenas um exemplo, como mostra a nossa historinha. Eles passaram a ter o seu crescimento muito descontrolado, não só pela quantidade de lixo jogado no chão, mas principalmente porque o homem costuma alimentá-los nos parques e nas ruas, jogando milho. Um casal de pombos pode se reproduzir de três a cinco vezes por ano, com dois ovos de cada vez. Além disso, com seis meses, o pombo já pode se reproduzir, o que faz com que um único casal de pombos possa gerar de 12 a 18 filhotes por ano. Um problema grave quando existem muitos pombos perto de nós, é que suas fezes, quando secam, jogam no ar centenas de microrganismos que, quando respiramos fazem mal a nossa saúde.

 

Existem vários tipos de lixo e, por isso, nossos personagens foram criados, para demonstrar que tipo de lixo é esse. Se pensarmos que as coisas que jogamos fora, por não servirem mais, podem valer dinheiro e serem reaproveitadas por outras pessoas como matéria-prima para a construção de novos materiais, chegamos à conclusão de que o lixo pode ser um tesouro se for reaproveitado, em vez de ficar por aí pelas ruas causando doenças e enchentes! Não acham?

 

Da próxima vez que for a qualquer lugar, à praia, ao mar, às montanhas, cachoeiras, aos parques e até mesmo às cidades onde moramos e visitamos, talvez encontre o lixo que outra pessoa ali deixou. Não foi o lixo deixado por você, porém, é a sua praia, é o seu mar, é a sua cachoeira, é o seu parque, é o seu mundo, você deve fazer algo por ele, limpe-o e trate-o bem, isso também lhe fará bem. Aja local e pense global....

 

Por isso, temos que pensar em diminuir essa quantidade de lixo gerada por cada um de nós. Mudar nossas atitudes é pensar e agir segundo os princípios dos 4Rs. E o que significam esses Rs?

 

O 1º é o Reduzir: a geração de lixo é o primeiro passo e a medida mais certa, que traduz a essência da luta contra o desperdício e o excesso de lixo.

 

O 2º é o Reutilizar: reaproveitar o material que não queremos mais, dando outra função a ele. Por exemplo, usando os potes de vidro com tampa para guardar miudezas (botões, pregos, etc.), ou fazer obras de arte utilizando botões velhos ou outros objetos que não utilizamos mais.

 

O 3º é o Reciclar: transformar os materiais já usados em outros novos e isso ocorre através de processo artesanal ou industrial. Por exemplo, transformar embalagens PET de plástico em tecido de camisetas, casacos de moletom, tábuas para a construção de casas, etc...

 

O 4º é o Respeitar: o nosso Planeta Terra, não jogando lixo em qualquer lugar.

 

Tratar nossos esgotos para que não poluam as águas e suas praias, e não poluir o ar que respiramos para que a Terra recupere sua temperatura normal e não fique superaquecida. Você pode também ser um consumidor consciente, não desperdiçando água e não jogando alimentos bons para o uso no lixo. Escolhendo produtos que utilizem pouca embalagem, pois assim geraremos menos lixo. Também é muito importante evitar o desperdício de energia apagando a luz de sua casa. Lembre-se que, para gerar energia elétrica, muita energia é gasta. Veja também se as empresas estão utilizando materiais reciclados. Quando respeitamos alguém ou alguma coisa, passamos a ter o direito de sermos respeitados. Observar o lixo deixado pelas pessoas que ainda não se ligaram nos 4Rs, recolhendo-o e destinando-o corretamente, isso tudo é ter respeito pela vida, pelo nosso Planeta Terra, ou seja o local onde vivemos.

 

Acreditamos que, somente quando começarmos a colocar os Rs em prática, poderemos ter um planeta mais limpo, mais puro e melhor para se viver! Caso contrário, as doenças só vão aumentar e, daqui a pouco, a Terra vai estar mais cheia e lotada de lixo do que de pessoas.

 

Grande parte do lixo é composto de materiais que podem ser reaproveitados e reciclados, ou seja, mate- riais que podem ser desagregados e transformados em outros.

 

Com a reutilização e a reciclagem feitas de forma correta, a coleta seletiva nos bairros é uma alternativa que reduz em muito a quantidade de lixo que vai para os aterros sanitários e lixões, aumentando assim a vida útil dessas grandes áreas onde todo o lixo da cidade é colocado. A coleta seletiva é na verdade um sistema criado para facilitar o recolhimento dos materiais. Como o nome diz, os materiais serão selecionados em categorias diferentes. E que categorias são essas? São as categorias de plástico, papel, metal, vidro, óleo, pneus, orgânicos, entre outros.

 

Separá-los para reciclagem, além de ser fácil, traz muitas vantagens.

Como exemplo, pode-se citar a lata de alumínio. Cada lata reciclada economiza energia elétrica suficiente para manter uma lâmpada de 60 watts ligada por até quatro horas.

 

Separá-los para reciclagem, além de ser fácil, traz muitas vantagens. A reciclagem de papel reutiliza as fibras do papel velho e as incorpora no papel novo, reduzindo a extração da matéria-prima. Você sabia que as árvores são a matéria-prima oferecida pela natureza para a fabricação dos papéis? E que o petróleo é utiliza- do para fazer muitas coisas de plástico e também a areia serve para fazer os vidros?

 

Além das diversas utilidades que podemos dar ao lixo, precisamos então entender que, para se produzir deter- minados materiais, estamos muitas vezes retirando da natureza um recurso natural finito, ou seja, finito quer dizer que ele não é eterno e, à medida que o tiramos da natureza, ele vai diminuindo de quantidade, vai acabando no meio ambiente, deixando de existir. Por isso, a reciclagem, além de diminuir a quantidade de lixo em todo o planeta, ainda contribui para que menos recursos naturais sejam extraídos de nossa terra, e atua como fonte de renda para muitos trabalhadores que vivem da venda do lixo.

 

Porém, temos que ter atenção pois alguns materiais ainda não possuem tecnologia para serem reaproveitados e reciclados nas indústrias, e outros não são recebidos pelas cooperativas. O lixo orgânico ou úmido, por exemplo, não pode ser separado nas cooperativas, mas pode ser entregue a agricultores, vendedores de flores e plantas, ou pessoas que trabalhem diretamente com a terra.

 

O lixo orgânico é qualquer resto de comida, principalmente as cascas de legumes e frutas, bem como qualquer produto natural como folhas de árvores, restos de madeira, etc. Esse material, quando misturado na terra, se decompõe, fornecendo nutrientes importantes para a terra. Muito interessante, não é? Só esse tipo de reciclagem, que se chama compostagem, dá uma historinha só!

 

Uma pilha comum contém, geralmente, três metais pesados: chumbo, cádmio e mercúrio, além de manganês, cobre, níquel, cromo e zinco. Por isso, pilhas e baterias representam hoje um sério problema ambiental. São produzidas a cada ano no país cerca de 800 milhões de pilhas secas (zinco-- carbono) e alcalinas (hidróxido de potássio ou de sódio–zinco), conforme dados da ABIEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica.

 

Na natureza, uma pilha pode levar séculos para se decompor. Porém, os metais pesados nunca se degradam. Em contato com a umidade, água, calor ou outras substâncias químicas, os componentes tóxicos vazam e contaminam tudo por onde passam: solo, água, plantas e animais. Com as chuvas, penetram no solo e chegam às águas atingindo os córregos e riachos.

 

 

Esta água contaminada chega ao homem quando ele se alimenta de peixes que vivem nessas águas ou por meio da irrigação dos alimentos que vêm do campo. Os metais pesados podem se espalhar no meio ambiente de uma forma surpreendente, se acumular no corpo humano e em todos os organismos vivos, que são incapazes de metabolizá-los ou eliminá-los. Por isso, são tão perigosos para a nossa saúde.

 

E para agravar o quadro, a reciclagem de pilhas e bate- rias é feita no Brasil, em poucos lugares, pois apenas uma fábrica recicla este material no país, a Suzaquim, localizada em São Paulo. Cerca de seis milhões de pilhas e baterias passam por ano pela empresa, o que representa menos de 1% do total de pilhas produzidas. Outras empresas de baterias de celulares, por exemplo, recolhem o material e enviam para recicladoras fora do Brasil. As baterias mais danosas ao meio ambiente e à saúde dos seres humanos são as que contêm chumbo, níquel-cádmio (NiCd) e óxido de mercúrio.

 

Em 22 de julho de 1999 o CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente - publicou no D.O. da União a Resolução n° 257, disciplinando o descarte e o gerenciamento ambientalmente adequado de pilhas e baterias usadas. Quem comprar pilhas ou baterias terá de entregá-las, após descarregadas, aos locais onde foram compradas. Depois, elas serão levadas aos fabricantes, responsáveis por deixá-las em local seguro, para que não prejudiquem o meio ambiente. Isso foi uma norma criada que podemos passar a respeitar.

 

O importante também é observar que existem alguns coletores de pilhas espalhados em alguns locais da cidade. E o melhor mesmo, como as pilhas fazem um enorme mal para nós e para a nossa Terra, é começar a uma combinação de letras que correspondem ao número de identificação localizado no interior do triângulo.

 

Isso é apenas um exemplo dos produtos plásticos que podem ser reciclados, o melhor mesmo é você prestar bem atenção no número de identificação que fica embaixo e, se o número for de 01 a 06, significa que você pode encaminhá-lo para a reciclagem.

Outro material reciclável composto de plástico e alumínio, só juntá-las dentro de garrafas pet vazias. Quando as garrafas estiverem cheias levamos até um desses postos de recolhimento.

 

Com relação aos plásticos, para ajudar a identificar e classificar a categoria de plástico reciclável, a Sociedade Americana de Indústria de Plásticos desenvolveu um padrão de código que simplesmente identifica o tipo de plástico usado para fazer qualquer objeto.

 

Os códigos geralmente estão localizados nas partes de baixo dos objetos, são três setas que giram no sentido do relógio, criando um triângulo com cantos arredonda- dos. Dentro de cada triângulo, existe um número que identifica o tipo de plástico. Abaixo de cada triângulo há que misturados, são as embalagens longa vida chamadas de TetraPak. Essas são enviadas para as fábricas de processamento de plásticos, onde são recicladas por meio de processos de secagem, trituração, extrusão e injeção. Ao final, esse material é usado para produzir peças plásticas como cabos de pá, vassouras, coletores e outros. A melhor forma de saber quais são os pontos de  coleta  desses  materiais  é entrando   no   site (www.rotadareciclagem.com.br). Lá, quando você digita o seu endereço, aparece a cooperativa que recebe esse material mais perto da sua rua.

 

O óleo de cozinha é um dos maiores problemas para o meio ambiente, pois quando é jogado diretamente nos ralos das pias, provoca o entupimento das tubulações, nas redes de esgoto, aumentando em até 45% os custos de tratamento.  E para desentupir as tubulações são utilizados produtos altamente tóxicos para o meio ambiente. Outro agravante são as águas. Costumam ser despejados cerca de 19 a 27 milhões de litros de óleo por ano em nossas vias marinhas. Considerando que um litro de óleo contamina cerca de um milhão de litros de água, pode-se ter uma noção da gravidade da situação. O óleo pode também impermeabilizar o solo e as margens dos rios, piorando ainda mais o quadro de enchentes.

 

Existem alguns supermercados na nossa cidade que recebem o óleo, mas uma iniciativa interessante que vimos foi o Programa de Reaproveitamento de Óleos Vegetais do Rio de Janeiro, chamado de PROVE. O objetivo do programa é fazer o reaproveitamento do óleo vegetal da cozinha, produzindo biodiesel e evitando, assim o seu desperdício no meio ambiente. Sendo reaproveitado na produção de combustível, o óleo contribui para a geração de energia alternativa, inserindo as cooperativas populares de catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva do biodiesel. O importante é saber que antes de enviar o óleo para lá ele deve ser armazenado dentro de garrafas pets que são resistentes e possuem tampa para evitar que eles se espalhem. Fazer a doação, no Rio de Janeiro é fácil. Você pode ligar (21) 2334-5902, se tiver oportunidade, entrar no site:www.rj.gov.br/web/sea/exibeconteudo?articleid=180508,www.cooperativismopopular.ufrj.br ou enviar e-mail para prove@ambiente.rj.gov.br.

 

Bem agora que já sabemos quais são os produtos que podem ser reciclados, o que podemos fazer para começar a fazer já a coleta seletiva em nossa casa ou em nosso bairro?

 

O primeiro passo é se informar, se a empresa da Prefeitura, responsável pelo recolhimento de todo  o  lixo  de  sua cidade, possui esse tipo de coleta seletiva. Então, existe a necessidade de que o lixo que foi separado em casa seja todo colocado em sacos plásticos transparentes normatizados, e que este seja colocado na rua nos dias específicos que ela passa para recolher.

 

Se você tiver oportunidade, peça para os garis um panfleto explicativo sobre a coleta seletiva e os dias próprios em que ela faz a coleta ou então dê uma olhada no site www.rio.rj.gov.br/web/comlurb ou ligue para 1746 ou pesquise na internet, na sua cidade.

 

Uma coisa importante é lembrarmos que esse trabalho de coleta seletiva da Comlurb, infelizmente, ainda não acontece em todos os bairros da cidade ou cidades do país. Na Zona Sul, existe em todos os bairros, mas na Zona Norte, ainda faz falta em muitos locais. Se você mora numa área onde a coleta seletiva ainda não acontece, que tal você ser o organizador desse trabalho aí? Você pode falar com seus amigos e pedir a ajuda de algum adulto para implantar em seu bairro a coleta seletiva. Que tal?

 

Outro passo é criar um Ecoponto no seu bairro, sendo um ponto de encontro de onde serão inicialmente deposita- dos todos os materiais já separados nas casas pelos mora- dores do bairro. Depois entrem em contato com as cooperativas de catadores que recebem esse material, caso a Comlurb não possa fazer esse serviço. Existem cooperativas que não pagam nada pelo material, mas grande parte paga e você ainda pode ganhar um bom dinheiro! Uma boa alternativa para saber qual é a cooperativa mais próxima de sua casa, é você entrar em contato com a RECICLOTECA – Centro de Informações sobre Reciclagem e Meio Ambiente, nos telefones (021) 2551-6215 / (021) 2552-6393 ou – entrando diretamente no site www.recicloteca.org.br/quemrecebe.asp  você consegue saber qual é a cooperativa mais próxima da sua casa, digitando o seu estado e a sua cidade. Essa é uma forma muito prática de saber!

 

Se o seu lixo da coleta seletiva for destinado à Comlurb ou outra empresa de limpeza urbana, ao chegar no aterro sanitário, local específico em que ela deposita o lixo, esses sacos transparentes vão direto para um galpão de coleta seletiva. Lá uma equipe de catadores vai separá-los em grandes coletores que, quando cheios, serão distribuídos para as grandes empresas que compram esse material. Então, a empresa que transforma o plástico em novo plástico, irá comprar apenas os plásticos que servirão como matéria-prima para construir plásticos novos.

 

É importante que o máximo de pessoas tenham interesse e aproveitem a grande vantagem da coleta seletiva, porque com ela passaremos a viver numa cidade ecologicamente sustentável, que gera suas riquezas também a partir do lixo recolhido. Seja um aliado importante no seu bairro, implantando esse serviço e mais ainda, seja um elo fundamental nessa corrente por mudanças de atitudes e pela a limpeza do Planeta!

 

DICAS DE COMO SEPARAR O LIXO PARA A COLETA SELETIVA

 

Plásticos: lave-os bem de modo que não fiquem restos de alimento ou de bebida, principalmente no caso de detergentes e xampus, que podem dificultar o aproveitamento do material.

 

Vidros: lave-os bem e retire as tampas a fim de saber de que tipo de material são feitas para poder aproveitá-las.

 

Metais: latinhas de refrigerantes, cervejas e enlata- dos devem ser amassados ou prensados para facilitar dos devem ser amassados ou prensados para facilito armazenamento, ocupando assim menos espaço.

 

Papéis: podem ser guardados diretamente em sacos plásticos, mas o ideal é que estejam secos e sem estar amassados.

 

Orgânicos: devem ser colocados em um lixo à parte, mas evite restos de alimentos já prontos. Use apenas cascas, talos de frutas e legumes, pães velhos e misture tudo com folhas ou restos de terra ou madeira para evitar o mal cheiro.

 

Se pararmos para pensar, meu amiguinho, que todo o lixo que produzimos, mesmo que a gente o coloque num navio e o despache para algum outro lugar, longe do nosso país como na China, por exemplo, ele não vai deixar de ficar aqui mesmo em nossa Terra, e dessa forma não estaremos também respeitando os chineses não é mesmo?

 

Quando descartados nos lixões e aterros sanitários, muitos materiais demoram muito tempo para se decompor e aqui embaixo temos um pequeno exemplo.

 

Dessa forma, o que sabemos é que o homem só tem pensado em si mesmo e não em seu Planeta Terra, que lhe fornece todos os dias água, alimentos, sombra e conforto. Se o ritmo que vivemos de exploração do Planeta continuar, muito em breve não haverá fontes de água ou de energia, reservas de ar puro nem terras para agricultura onde se produza alimentos ricos e saudáveis.

 

Nesse processo, o Homem que é consciente, pois ele pensa, e se preocupa com a Terra, tem um papel importante. Pois está nas suas mãos a forma como explora os recursos naturais fornecidos pelo Planeta, bem como o tipo de produtos que compra e destino final que dá aos resíduos que produz. Também é importante ter uma ideia do tipo de empresa em que vamos comprar nossos brinquedos e produtos.

 

Será que elas estão reciclando e tratando seus efluentes e os seus produtos produzidos em fim de vida?

 

Ou será que andam a contaminar o planeta com poluição excessiva?

 

Dessa forma, se pararmos para pensar na importância dos 4 Rs em nossas vidas, vamos entender que ao reduzirmos o nosso consumo desenfreado, reduzimos também a necessidade exagerada de fabricação de variados produtos. Ao reutilizarmos as coisas, exercitamos, não só a nossa imaginação na construção de novos objetos que voltarão a ser úteis, como também reduzimos o impacto causado caso as mesmas fossem lançadas no lixo ou ainda pior, se acabassem em um rio ou a flutuar em ilhas de lixo pelos oceanos. Com a última etapa, a reciclagem, damos "nova vida" a objetos velhos, quebrados e sem utilidade, diminuindo a necessidade de mais recursos que são extraídos do nosso planeta, e também de energia para a sua fabricação. Respeitando assim o meio ambiente, a Vida... O nosso maravilhoso PLANETA TERRA!

Copyright 2017

 

© Todas as foto, textos e ilustrações são de propriedade da UCBrasil e estão protegidas pelas leis de direitos autorais do Brasil e internacionais.
Estas fotos e ilustrações não podem ser reproduzidas, arquivadas, manipuladas ou digitalizadas sem a autorização por escrito da Universo Criativo.